Quinta 22 Outubro 2020
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Compartilhe
Pin It

Luis Barrucho - @luisbarrucho
Da BBC News Brasil em Londres

Segundo Daniel Balaban, do Programa Mundial de Alimentos (PMA), será preciso 'união' para evitar que país volte ao Mapa da Fome, quando mais de 5% da população enfrenta insegurança alimentar grave

fome101020Getty Images

Madrugador assumido, o economista Daniel Balaban já estava acordado quando recebeu a notícia de que a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) da qual é o representante para o Brasil, o Programa Mundial de Alimentos (PMA), havia ganhado o Nobel da Paz.

O prêmio foi anunciado na sexta-feira (09/10) na Noruega, pelo Comitê Nobel, em razão dos esforços da agência "para combater a fome, por sua contribuição para melhorar as condições de paz em áreas afetadas por conflitos e por atuar como uma força motriz em esforços para prevenir o uso da fome como arma de guerra e conflito".

Apoio Cultural

Em entrevista à BBC News Brasil por telefone, Balaban, diretor do Centro de Excelência contra a Fome e representante do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) no Brasil, afirma que a "luz amarela para fome no Brasil foi acesa" devido "à regressão das políticas sociais" e que será preciso agir rápido para evitar que o país volte ao Mapa da Fome, quando mais de 5% da população enfrenta insegurança alimentar grave.

"Dá para reverter esse quadro se houver união nacional. A própria população brasileira solicitando e fazendo pressão em cima dos entes públicos. E o Nobel foi muito importante para isso, pois lança luz sobre um problema que afeta o mundo e estava um pouco esquecido", diz.

<a href=

Questionado sobre se, em sua visão, o governo de Jair Bolsonaro está comprometido em "reverter esse quadro", Balaban defende "demonstrar a importância a todos os formuladores de políticas públicas de orientar recursos para as populações mais vulneráveis".

Confira abaixo os principais trechos da entrevista.

Publicidade

BBC News Brasil - O Programa Mundial de Alimentos (PMA), agência da ONU da qual o sr. é o representante no Brasil, foi agraciado com o Nobel da Paz nesta sexta-feira. Como o sr. recebeu a notícia? Ficou surpreso?

Daniel Balaban - Foi uma surpresa total, ninguém esperava por isso. A sede do PMA fica em Roma (Itália) e, quando o prêmio foi anunciado, era madrugada no Brasil. Prêmios são prêmios. São importantes. Mas mais importante é lançar luz sobre um problema que afeta o mundo e que estava um pouco esquecido, que é a questão do combate à fome, do combate à pobreza, do combate às desigualdades.

Não tem como termos um planeta mais sustentável, um planeta que todos nós sonhamos com 690 milhões de pessoas passando fome. São três Brasis. O trabalho do PMA no dia a dia é fazer com que essas pessoas não morram e dar assistência a elas. Alimentamos por dia mais de 100 milhões em todo o mundo, especialmente nos países em desenvolvimento, os mais pobres, ajudando a criar políticas públicas. Trata-se de um trabalho muito difícil e complexo, mas precisamos mostrar à população que dá para resolver esse problema.

<a href=
NATAN GIULIANO/PAM -
'Dá para reverter esse quadro se houver união nacional', diz Balaban

BBC News Brasil - Qual é a importância do Brasil dentro do Programa Mundial de Alimentos?

Balaban - O Brasil é parceiro do Programa Mundial de Alimentos desde longa data e tem uma atuação conjunta com a agência. Ganhamos muita notoriedade quando conseguimos tirar 50 milhões de pessoas da extrema pobreza e quando saímos do Mapa da Fome (em 2014, durante o governo de Dilma Rousseff) por meio de políticas públicas que nós mesmos desenvolvemos. Digo sempre que essas são políticas de Estado.

Apoio Cultural

O grande problema é que essas políticas têm que ser perenes, não importa quem esteja no governo. Continuamos sendo um país muito desigual e com uma parcela considerável da população em situação de vulnerabilidade. Não podemos deixar de comprometer parte do orçamento para políticas sociais que foram muito exitosas. O Brasil foi um exemplo para o mundo em desenvolvimento em relação a isso, desde políticas de apoio a agricultores familiares a políticas de renda com condicionalidade, como é o caso do Bolsa Família. E isso tem que continuar.

<a href=
Getty Images -
Dados do IBGE mostram que fome voltou a se alastrar no Brasil

BBC News Brasil - O Brasil deixou de dar continuidade a essas políticas?

Balaban - O que acontece é que o Brasil começou a sofrer uma crise econômica muito grande a partir de 2015. Quando um país sofre uma crise econômica, há cortes no orçamento e pressão para se fazer equilíbrio fiscal. As políticas sociais acabaram sofrendo o maior impacto.

Não existe milagre.

Se os recursos começam a minguar, o programa social começa a diminuir seu fortalecimento e sua incidência sobre a população. Estamos em um momento chave: a luz amarela para a fome foi acesa, mas ainda temos tempo de fazer uma reversão. Não precisamos reinventar a roda. As políticas sociais que foram criadas tiveram muito sucesso.

Basta que os recursos voltem a ser investidos e o apoio às populações mais vulneráveis, retomado. Dá para reverter esse quadro se houver união nacional. A própria população brasileira solicitando e fazendo pressão em cima dos entes públicos. E o Nobel foi muito importante para chamar atenção para isso.

BBC News Brasil - Dados recentemente divulgados pelo IBGE mostram que, depois de recuar em mais da metade em uma década, a fome voltou a se alastrar pelo Brasil. Em cinco anos, o contingente nesta situação chegou a pelo menos 10,3 milhões. O Brasil voltou ou vai voltar ao Mapa da Fome?

Publicidade

Balaban - O Mapa da Fome é uma publicação da ONU que leva em conta os números mais atuais dos países. O Brasil não apareceu no último Mapa da Fome pois os dados usados são anteriores (aos divulgados pelo IBGE). De qualquer forma, essas 10,3 milhões de pessoas equivalem a menos de 5% da população, parâmetro considerado pela ONU para que um país entre ou deixe o Mapa da Fome. Mas isso não quer dizer que estamos bem. Temos percebido um aumento no número de pessoas em vulnerabilidade, uma regressão das políticas sociais. Se nada for feito para reverter esse quadro, o Brasil pode voltar ao Mapa da Fome.

BBC News Brasil - A concentração de renda subiu e a desigualdade se aprofundou durante o atual governo. O sr. acredita que o governo de Jair Bolsonaro está comprometido em "reverter esse quadro"?

Balaban - Não entramos em análises de governos, de atuação de governos. Acreditamos que essas políticas são reflexo do interesse da população de cada país. Cada governo é reflexo de sua população, sobretudo em países democráticos, como o Brasil. Precisamos alertar a toda a população que este é o momento de união e de trabalho conjunto para que esse quadro não volte. Este é o nosso papel: conclamar a união.

Não fazemos qualquer crítica a nenhum governo, nem governo atual, nem governos anteriores. Mas políticas adotadas como todo. Acredito que todos os governos têm boas intenções, nenhum governo quer a fome, nenhum governo quer falta de saúde e educação. O ponto crucial é demonstrar a importância a todos os formuladores de políticas públicas de orientar os recursos para as populações mais vulneráveis.

Apoio Cultural

 

 

 

FONTE: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-54478223

CULTURA E ARTE

Nova atualização de IA do Photoshop traz recursos incríveis — e assustadores

Por Ramon de Souza Por conta da pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV2), a tradicional conferência Adobe MAX teve que ser...

ESPORTES

Fábio Santos revela conversa com Cássio e vê o goleiro "motivado para o próximo jogo"

Aos 35 anos, Fábio Santos retorna ao Corinthians como um dos jogadores mais experientes do elenco. Com o clube vivendo uma...

São Paulo volta a levar gol do Binacional, mas goleia e garante vaga na Sul-Americana

O São Paulo se despediu da Copa Libertadores da América com uma goleada por 5 a 1 em cima do Binacional no estádio do...

 

booked.net

DO SEU INTERESSE

INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Edison Veiga - De Milão para a BBC News Brasil No dia 12 de outubro de 1923, o Rio de Janeiro, então capital federal, sediou um evento que reuniu estudiosos de infância e políticos de vários...

Mariana Schreiber - @marischreiber - Da BBC News Brasil em Brasília No momento em que repercute internacionalmente a queimada de florestas na Amazônia e no Pantanal, o Parlamento Europeu...

Postado por: Adriano Silverio A metrologia industrial é um conceito relativamente novo que tem ganhado um grande espaço nesse mercado em virtude dos benefícios observados na aplicação.Com isso,...

Por Cláudia Rivoiro Em março, quando foram anunciadas as primeiras medidas de restrição devido a pandemia da Covid 19, A Bic, assim como todas as empresas do país se encontraram diante de uma...

Por Redação A Natura é a empresa mais inovadora do mercado brasileiro, revelou a nova edição do Prêmio Valor Inovação Brasil, levantamento desenvolvido pela PwC  e pelo Valor Econômico. No...

Por Redação O que esperar do varejo digital depois da pandemia? Como a quarentena influencia a forma como o varejista deve vender agora? Essas e outras dúvidas foram discutidas pelo Gerente...

Recente no Site

Ricardo Senra - Da BBC News Brasil em Londres "O coronavírus nunca me afastou", anuncia um dos...
Por Redação A nova nota de R$ 200 já está em circulação no mercado brasileiro desde o início de...
Por Gilberto Costa e Mariana Tokarnia Repórteres da Agência Brasil - Brasília e Rio de Janeiro...

Parceiros & Apoiadores

Notícias Gastronomia

  Uma comidinha feita em casa é sempre muito mais gostosa… Além de selecionar os ingredientes, você adiciona todo seu carinho. Cozinhar deve ser um prazer, e uma refeição em família é sempre...

Por Metro Jornal O empanado do KFC é reconhecido por muitos como o melhor, mas qual será o segredo deles? O site Tablespoon revelou algumas dicas para conquistar um empanado extremamente crocante....

GSHOW Receita tradicional da família da Marcela, do BBB20, leva apenas 3 ingredientes; confira o preparo realizado pela chef Eliane Meireles Rocambole de Leite em Pó — Foto: Eliane Meireles/TV...

RELIGIÃO

INSPIRAÇÃO DIÁRIA Gilton Medeiros “…tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim.” João 13:1b Está na hora de amar /Foto: Zoom.me A humanidade, com os recursos da biotecnologia, o uso dos defensivos agrícolas e das...

Comentário do Evangelho Lucas 12,39-48 Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. Naquele tempo, 12 39 disse Jesus: “Sabei, porém, isto: se o senhor soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria sem dúvida e não deixaria forçar...

Falando ainda por parábolas, disse-lhes Jesus: O reino dos céus se assemelha a um rei que, querendo festejar as bodas de seu filho, - despachou seus servos a chamar para as bodas os que tinham sido convidados; estes, porém, recusaram ir. - O rei...

ESTILO DE VIDA

Lavar as mãos é mais importante hoje do que nunca, mas você faz isso antes e depois de fazer sexo com alguém? Peter Cade/Getty Images - Você mantém bons hábitos de higiene sexual? Pode ser desconfortável — como interromper o ato e perguntar ao seu parceiro sexual: "querida, você lavou as mãos?" — mas os sexólogos insistem que essa regra de higiene pessoal é essencial nos relacionamentos íntimos. É um passo simples para evitar, por exemplo, uma candidíase (infecção genital causada por um fungo). "Limpar as mãos, boca e dentes é vital, já que esses órgãos costumam intervir durante as...

Divulgação
Banner Espaço Reservado 1
Don't have an account yet? Register Now!

Sign in to your account