Quinta 3 Dezembro 2020
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Compartilhe
Pin It

Depois de uma década em construção, o maior acordo comercial do mundo aconteceu. Líderes asiáticos assinaram no domingo (15/11), em Hanói, o mega-tratado que inclui os dez membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático, além de China, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia.

rcep181120Getty Images - O novo acordo abrange 29% do Produtor Interno Bruto (PIB) do mundo

O acordo, Parceria Econômica Regional Abrangente (RCEP, na sigla em inglês), será maior que a União Europeia e o Acordo Estados Unidos-México-Canadá. Os membros somam quase um terço da população mundial e 29% do Produto Interno Bruto (PIB) do planeta.

A Índia também fez parte das negociações, mas desistiu em 2019 por temer que a redução das tarifas prejudicasse seus produtores.

Apoio Cultural

O acordo

O RCEP eliminará tarifas de importação pelos próximos 20 anos. O acordo também inclui dispositivos sobre propriedade intelectual, telecomunicações, serviços financeiros, comércio eletrônico e serviços profissionais.

<a href=
VNA -
Pacto comercial é formado por 15 países; líderes dos países membros do RCEP posam para a foto da cúpula virtual

Muitos dos países-membros já têm acordos de livre-comércio entre si, mas com limitações que podem ser superadas com o atual acordo.

"Os acordos de livre-comércio existentes costumam ser muito complexos em comparação com o RCEP", disse Deborah Elms, da organização Asian Trade Centre, à BBC em Cingapura.

Até agora, as empresas que dependem de cadeias de suprimentos globais podiam ser afetadas por tarifas, apesar de um acordo de livre-comércio, porque seus produtos tinham componentes fabricados em outro lugar. Um produto fabricado na Indonésia que contém peças fabricadas na Austrália, por exemplo, pode estar sujeito a tarifas.

No âmbito do RCEP, entretanto, os componentes de qualquer país membro serão tratados da mesma forma, o que poderia dar às empresas nos países do RCEP um incentivo para fazer parceria com fornecedores da nova aliança regional.

Publicidade

Qual é a sua importância geopolítica?

A ideia do RCEP nasceu em 2012 e foi vista como uma forma de a China, maior importadora e exportadora da região, se opor à influência que os Estados Unidos vinham exercendo ali durante o governo de Barack Obama.

<a href=
EPA -
O primeiro ministro do Vietnã, Xuan Phuc, e o Ministro da Indústria e Comércio, Tran Tuan Anh, foram os anfitriões da cúpula virtual em que o acordo foi assinado

Obama havia promovido a Parceria Transpacífica (TPP, na sigla em inglês), da qual faziam parte México, Chile e Peru, mas não a China.

O interesse pelo RCEP cresceu quando Trump retirou os EUA da Parceria Transpacífico - o país era o arquiteto do acordo e cuja economia correspondia a dois terços do total do bloco.

Na verdade, a guerra comercial entre Estados Unidos e China e a política nacionalista de Trump ("America first") acabaram com a ideia de Obama de olhar mais para a Ásia e serviram para dar força ao RCEP, que é visto como uma oportunidade de Pequim para definir a agenda comercial regional na ausência de Washington.

Como principal fonte de importações e principal destino das exportações da maioria dos membros do RCEP, a China parece ser o principal beneficiário e está bem posicionada para influenciar as regras comerciais e expandir sua influência na Ásia-Pacífico, algo que Obama queria evitar.

A Presidência de Biden mudará alguma coisa?

O comércio internacional esteve muito menos presente na agenda nesta campanha presidencial, e Biden disse relativamente pouco sobre se sua política comercial mudará significativamente ou se vai reconsiderar o retorno à Parceria Transpacífico.

<a href=
Getty Images -
Biden está comprometido com o multilateralismo, mas não se sabe se vai reconsiderar o retorno dos EUA à Parceria Transpacífico

Biden defende retomar uma política de multilateralismo, como durante o governo Obama, mas é prematuro falar em acordos comerciais, dados os enormes desafios que o democrata enfrentará internamente. Além disso, eventuais medidas nesse sentido correm o risco de serem vistas como prejudiciais aos sindicatos que o ajudaram a vencer nos Estados do chamado cinturão da ferrugem (região tradicionalmente industrial dos EUA).

É esperado que suas prioridades comerciais se concentrem em trabalhar com os aliados para pressionar a China e forçar mudanças na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Voltar ao que era à Parceria Transpacífico pode não acontecer no curto prazo.

Os sindicatos e os progressistas que apoiaram a eleição de Biden têm sido céticos em relação aos acordos de livre-comércio, e representantes desses grupos estão presentes em sua equipe de transição. Eles podem defender certas medidas de proteção a indústrias vulneráveis, como aço e alumínio.

Se Biden decidir se reconectar com a Ásia-Pacífico, isso pode funcionar como um contrapeso em relação à China.

Apoio Cultural

Como afeta a América Latina?

O comércio bilateral entre a Ásia e a América Latina tem crescido continuamente nas últimas décadas, mas a integração entre as duas regiões tem muito espaço para avanços e pode sofrer o impacto do novo acordo, afirmam analistas.

"No curto prazo, o RCEP pode causar algum desvio comercial, limitar o crescimento do comércio entre a América Latina e a Ásia", diz Jack Caporal, especialista em comércio do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), com sede em Washington.

"No entanto, as regras comuns tornarão mais fácil para as empresas latino-americanas com presença na Ásia fazerem negócios lá", agrega Caporal. "Uma questão importante para os países latino-americanos é se eles buscarão uma integração com a Ásia individualmente ou em conjunto, como por meio da Parceria Transpacífico ou do Mercosul."

Publicidade

"Desde que o comércio entre a América Latina e a China explodiu, nos anos 2000, liderado quase exclusivamente pelo rápido crescimento da China e sua necessidade de matérias-primas, os países da região buscaram uma maior integração com a Ásia em geral, não apenas com a China, mas em particular com Japão, Coreia do Sul e Índia", diz à BBC News Mundo Cynthia Arnson, especialista do Wilson Center nas relações entre as duas regiões.

<a href=
Getty Images -
Desde o início deste século, a América Latina aumentou sua integração com a Ásia e, principalmente, com a China

Arnson afirma que esse era o espírito da Parceria Transpacífico, agora dizimada na ausência dos Estados Unidos.

"A menos que o governo Biden retorne à Parceria Transpacífico, os países latino-americanos serão atraídos por uma maior participação de mercado na Ásia, que agora está representada pelo RCEP", acrescenta.

Nicolás Albertoni, professor da Universidade Católica do Uruguai e pesquisador associado do Laboratório de Política e Segurança Internacional da Universidade do Sul da Califórnia, acredita que há uma "desvantagem" para os países que não fazem parte desse tipo de mega-acordos.

"É fundamental que os países da América Latina (principalmente do Cone Sul) que não fazem parte batam à porta e peçam para fazer parte desses acordos", opina à BBC News Mundo.

E os efeitos para o Brasil?

O novo acordo deve afetar pouco a exportação de commodities brasileiras para a região, segundo especialistas em relações internacionais e comércio exterior ouvidos pela BBC News Brasil.

O professor de Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Bruno Hendler destaca que o acordo "faz parte de uma disputa maior, entre EUA e China, por processos de integração regional que vão muito além da redução de tarifas comerciais".

Especialista em relações da China com o Sudeste Asiático e com a América Latina, Hendler pondera que os efeitos desse tipo de acordo levam anos para serem sentidos, principalmente porque muitos países tendem a usar salvaguardas para proteger setores econômicos mais frágeis.

"O reflexo mais imediato desse acordo é a tendência de elevação de competitividade dos países asiáticos pela integração nas cadeias globais de valor, que é um processo que vem acontecendo há décadas", diz Hendler.

Apoio Cultural

Para o Brasil, ele diz, o impacto não deve ser tão significativo.

"O grande mercado asiático, que é o chinês, já tem acordo de livre-comércio com países que são concorrentes do agronegócio brasileiro. O novo acordo tende a oficializar uma série de acordos que já existiam - que alguns autores chamam de prato de espaguete, em referência a essas conexões. Vejo esse acordo como um 'upgrade' de uma série de acordos bilaterais e multilaterais que já existiam entre esses países. Então, no curto prazo, acho que o agronegócio brasileiro não será tão impactado porque já tem sido impactado há anos pelo acesso privilegiado que o Sudeste Asiático tem ao mercado chinês."

O presidente-executivo da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, espera um "impacto menor" para a exportação de commodities brasileiras.

"Tínhamos preocupação com o acordo anterior (TPP ou Parceria Transpacífico), em que os EUA, nosso grande concorrente na exportação de commodities, participavam e teriam muita vantagem. No acordo atual, o impacto para o Brasil em termos de commodities muda pouco, e em relação a produtos manufaturados já temos participação muito pequena, que continuará pequena enquanto Brasil não fizer reformas estruturais internas", diz Castro.

Especialista em geografia das relações internacionais, Gustavo Glodes Blum também diz que as correntes de comércio do Brasil com a região Ásia-Pacífico, baseada nas commodities, não serão alteradas. Ele destaca, no entanto, que o Brasil pode sentir efeitos de uma possível perda de mercado dos EUA por lá.

Publicidade

"O efeito mais relevante para nós talvez seja um aprofundamento da disputa por mercado, com os EUA aumentando esforços de penetrar no nosso mercado. A China cria, na prática, um mercado comum na região e isso vai prejudicar circulação de produtos americanos ali dentro", diz Blum.

O ex-secretário de Comércio Exterior do Brasil Welber Barral, que classifica o acordo como uma vitória da China, avalia que "pode haver algumas concessões tarifárias para países da região, que não vão abranger o Mercosul, e isso faz o Brasil perder vantagens tarifárias na região".

Barral destaca que o Mercosul terá que procurar avançar nos acordos com a Ásia. E também aponta que empresas brasileiras que eventualmente decidam se instalar em algum dos países abrangidos pelo acordo podem se beneficiar de uma plataforma de expansão na Ásia.

'Pouco ambicioso'

Embora o RCEP tenha sido uma iniciativa dos dez países da Associação de Nações do Sudeste Asiático, ele é visto por muitos como uma alternativa apoiada pela China à Parceria Transpacífico, um acordo que exclui Pequim, mas inclui muitos países asiáticos.

Doze nações, incluindo Chile, México e Peru, assinaram a Parceria Transpacífico em 2016, antes de Trump retirar seu país do acordo em 2017.

Sem os Estados Unidos, os demais países assinaram o Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífica (CPTPP, na sigla em inglês). Embora inclua menos países, o CPTPP reduz as tarifas ainda mais do que o RCEP e inclui disposições sobre emprego e meio ambiente.

<a href=
Getty Images -
Críticos dizem que é um negócio pouco ambicioso

O ex-primeiro-ministro australiano Malcolm Turnbull criticou o novo acordo ao dizer que é desatualizado.

"Haverá alarde sobre a assinatura e entrada em vigor do RCEP, mas é um acordo comercial pouco ambicioso, não devemos nos enganar", disse Turnbull, que assinou a Parceria Transpacífico em nome de seu país.

Ativistas temem a falta de medidas para proteger os trabalhadores e o meio ambiente e que isso prejudique os agricultores e pequenos negócios em um momento em que eles já estão sofrendo devido à pandemia.

Diferenças à parte

Do lado positivo, o RCEP reúne países que costumam ter relações espinhosas, como China e Japão. Além disso, tanto Austrália quanto China estão aderindo ao acordo, apesar de relatos de que a China pode boicotar algumas importações australianas por causa de diferenças políticas.

"Você pode cooperar com alguém ou simplesmente odiá-lo, assim como as pessoas. O RCEP fez um trabalho impressionante ao se separar de outras disputas", diz Elms.

 

 

 

 

FONTE: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-54971949

CULTURA E ARTE

Em livro, a verdadeira história da Lava Jato: a influência dos EUA

Por A Tribuna de Piracicaba Quais as reais motivações daquela que se proclamou a maior operação de combate à corrupção do...

ESPORTES

Do palco ao gramado: cantora Ludmilla reforça time para dar visibilidade ao futebol feminino

Por Julia Guimarães, Marcelo Barone e Raphael Marinho — Rio de Janeiro "Lud" treina há três meses com equipe Zico 10...

XV empata com o Atibaia e decide a vaga para as quartas de final em Piracicaba

O XV de Piracicaba empatou com o Atibaia em 1 a 1 na tarde deste domingo (29), no Estádio Décio Vitta, em Americana,...

 

booked.net

DO SEU INTERESSE

INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Por José Ricardo Ferreira Estado tem alta de casos de Covid-19; Acipi critica medida do governador Doria Crédito: Mateus Medeiros/Gazeta de Piracicaba Horário estendido do comércio no período...

Com receita líquida total de R$ 14.637,90 milhões no mês de outubro, a indústria de máquinas e equipamentos apresentou crescimento de 2,9% em relação ao mês de setembro e salto de 16% na...

Por Fátima Merlin* Que o varejo tem como essência a arte de atender aos clientes, todos sabemos. Mas, para atender bem, encantá-los e retê-los, faz-se necessário entendê-los a fundo. Em meus...

Por Redação Newtrade O AliExpress entregou compras feitas durante o festival 11.11, o Dia dos Solteiros, em dezenas de municípios brasileiros em prazos inferiores a uma semana, conforme atestam...

Cecilia Barría - BBC News Mundo As marcas deixadas pela pandemia de covid-19 na América Latina não vão desaparecer do dia para a noite, mas, quanto mais cedo estiverem funcionando os motores...

Vinícius Gonçalves, colaboração para o CNN Brasil Business Lojas fazem preparação para a Black Friday no Rio de Janeiro: data já virou sinônimo de promoções | Foto: Isabelle Saleme/CNN Ansioso...

Recente no Site

Paulo Moura Seis pessoas já foram presas por envolvimento no assalto a uma agência do Banco do...
Por G1 Piracicaba e Região Com 100% das urnas apuradas, ele conquistou 85.081 dos votos dados a...
VIA A Tribuna de Piracicaba Bienal Naïfs é realizada pelo Sesc São Paulo em Piracicaba desde a...

Parceiros & Apoiadores

Notícias Gastronomia

Ana Maria Braga ensina o passo a passo da receita que é fácil de fazer e rende 6 unidades A receita de Petit Gateau de Brigadeiro da Ana Maria Braga é fácil e leva apenas 5 ingredientes....

Receita leva óleo de girassol e pimenta calabresa como ingredientes; confira A receita de Linguicinhas Flambadas em Cachaça com Maionese de Chimichurri é uma boa opção de aperitivo. É simples e...

Churrasquinho com a sobrecoxas do frango bem suculentas e temperadas. Caso não prepare na churrasqueira pode seguir a receita e fazer direto no forno. INGREDIENTES: 800g de sobrecoxas de...

RELIGIÃO

Davi Goes  O Evangelho do médico Lucas, relata a história de uma pecadora que se ajoelhou diante de Jesus, lavou os seus pés com lágrimas e ungiu com um bálsamo caríssimo. Naquele instante, um homem chamado Simão fez duras críticas a...

Papa Francisco O Papa Francisco deu continuidade ao ciclo de catequeses sobre a oração, na Audiência Geral desta quarta-feira (02/12). “A bênção”, uma dimensão essencial da oração, foi o tema deste encontro semanal realizado na Biblioteca do...

DEVOCIONAL “…Até aqui nos ajudou o SENHOR.” - 1 Samuel 7:12b Convido você a voltar no tempo e a se lembrar de algumas lutas difíceis pelas quais passou e que achou que não conseguiria superar quando estava no meio da situação. Qual a sensação...

ESTILO DE VIDA

Por Felipe Saldanha Conheça um pouco mais sobre as deficiências que os pets podem apresentar. Inclusão de animais com deficiência física: acessibilidade no mundo pet (Imagem: G1) Os animais de estimação que apresentam alguma deficiência física passam grandes dificuldades pela falta de acessibilidade, seja na própria casa ou na hora do passeio. Hoje, 30/11, o Folha GO mostra como cuidar e proporcionar maior qualidade de vida para os pets que possuem alguma dificuldade de locomoção.  Ademais, saiba que a deficiência física nesses animais pode ser causada pela genética, pela sequela de...

Divulgação
Banner Espaço Reservado 1
Don't have an account yet? Register Now!

Sign in to your account